Menu

Introdução

Definição

O queratocone é uma deformação progressiva da córnea, a primeira estrutura transparente do olho humano que funciona como uma lente. No queratocone a córnea vai progressivamente ficando mais fina e deformada, adquirindo a forma de um cone, o que conduz à diminuição da visão. É uma doença bilateral mas pode atingir os dois olhos de forma assimétrica.

Frequência

Muito rara antes da adolescência. Tende a estabilizar na 3ª ou 4ª década de vida.

Causa

A causa é multifactorial associada a uma predisposição genética. Algumas doenças como a síndrome de Down, a alergia ocular e doenças do tecido conjuntivo podem predispor ao desenvolvimento do queratocone. O acto de esfregar os olhos pode enfraquecer a córnea e promover esta deformação.

Sinais e sintomas

Os sintomas de apresentação do queratocone mais frequentes são queixas de diminuição da visão. A criança ou adolescente pode queixar-se de distorção de objectos próximos ou distantes, de visão dupla quando vê só com um dos olhos, maior sensibilidade à luz, ver imagens fantasmas ou queixas de irritação ocular.

No caso das crianças que já usam óculos o desenvolvimento do queratocone pode manifestar-se como um aumento rápido da miopia ou do astigmatismo, que muitas vezes não se consegue corrigir totalmente com os óculos.

O que fazer

Perante a suspeita de queratocone a criança ou adolescente tem de ser sempre avaliado em Consulta de Oftalmologia. O diagnóstico só pode ser estabelecido através de um exame que avalie a forma e espessura da córnea, designado por Topografia da Córnea. Este exame complementar, que consiste numa espécie de fotografia da córnea, permite quantificar a forma da córnea e confirmar o diagnóstico de queratocone. É também com a repetição deste exame ao longo do tempo que o oftalmologista vai poder concluir se a doença está a progredir ou se está estável.

Tratamento

O tratamento do queratocone tem dois objectivos:

  1. Estabilizar a progressão da doença, ou seja, tentar interromper o processo de deformação progressiva da córnea;
  2. Melhorar a visão da criança / adolescente.

O primeiro objectivo é hoje possível com um novo tratamento designado por crosslinking de colagénio da córnea. Este procedimento cirúrgico consiste na aplicação de uma substância na córnea (a riboflavina) seguida da exposição a uma luz de ultravioleta-A. Desta forma conseguem-se estabelecer quimicamente ligações mais fortes entre as fibras de colagénio da córnea e aumentar a sua rigidez, o que permite contrariar a deformação provocada pelo queratocone. É assim um tratamento eficaz para suspender este processo.

Para a melhoria da visão o primeiro passo é a utilização de óculos ou lentes de contacto moles (hidrófilas). Nas formas iniciais ou ligeiras de queratocone os óculos podem ser suficientes para eliminar os sintomas e permitir uma visão nítida. Nos casos em que a visão conferida pelos óculos não é satisfatória as lentes de contacto semi-rígidas estão recomendadas.

Finalmente nos casos em que a adaptação às lentes de contacto não é conseguida ou que a visão não é satisfatória podem ponderar-se as opções cirúrgicas.

Os segmentos anéis intraestromais consistem em segmentos de um material parecido com plástico, inerte, que são cirurgicamente introduzidos na espessura da córnea e que têm como objectivo regularizar a superfície da córnea, podendo melhorar a visão nos casos de queratocone moderado. Também podem facilitar a adaptação posterior de lentes de contacto.

O transplante de córnea é o tratamento de última linha para os casos em que as outras opções não oferecem uma visão satisfatória ao doente. Consiste em substituir a porção central da córnea doente por uma córnea dadora que tem uma forma normal, uma espessura adequada e normal transparência. O transplante pode ser de todas as camadas da córnea – a chamada queratoplastia penetrante – ou apenas das camadas mais anteriores da córnea que estão deformadas – a queratoplastia lamelar. Esta última oferece a vantagem de ter menos risco de rejeição.

Evolução / Prognóstico

Apesar do queratocone poder progredir muito rapidamente nas crianças e adolescentes, a doença tende a estabilizar com a idade e raramente progride depois dos 40 anos.

Com o aparecimento de novas terapêuticas que podem estabilizar a doença desde as fases iniciais torna-se muito importante o diagnóstico precoce para evitar a necessidade de terapêuticas cirúrgicas mais invasivas como o transplante de córnea.

Prevenção / Recomendações

Os filhos de pais com queratocone devem ser avaliados regularmente em Consulta de Oftalmologia a partir dos 10 anos porque têm um risco acrescido de vir a desenvolver a doença.

As crianças que esfregam muito os olhos também devem ser vigiadas e tratadas intensivamente com colírios que aliviem o prurido, já que o risco também é maior de virem a desenvolver queratocone.

Saber Mais

FALTA IMAGEM

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail