Menu

Introdução

Tem havido preocupação por parte das autoridades de saúde sobre a segurança em administrar a vacina contra a COVID 19 em mulheres a amamentar. Assim como, por parte das lactantes (mulheres que amamentam) se podem ou não ser vacinadas contra a COVID 19 e continuar a amamentar os seus filhos.

As mulheres que o pretendem ser vacinadas e continuar a amentar têm esbarrado com dificuldades de diversa ordem por parte dos agentes de saúde, que não se sentem seguros no seu aconselhamento, por falta de instruções claras e definitivas das autoridades de saúde.

Em Portugal, a posição da DGS na sua norma de 23/12/2020 refere: “Não existem estudos sobre a administração desta vacina durante a gravidez e desconhece-se se esta vacina é excretada no leite humano. No entanto, se os benefícios esperados ultrapassarem os potenciais riscos para mulher, a vacina poderá ser considerada, por prescrição do médico assistente.”

É certo que não foram feitos testes de segurança da administração da vacina a mulheres grávidas ou a amamentar (nunca se fazem). Como é certo que mesmo quando se fazem testes exaustivos, existem sempre riscos, que se esperam mínimos.

Nestas circunstâncias, quem assumirá a responsabilidade do aconselhamento de vacinar uma mulher que amamenta? Uma decisão sem fundamento científico seguro, se pode acarretar riscos para a mãe e /ou o bebé, pode, por outro lado, levar a desmames não desejados, com consequências nefastas para a saúde de mães e filhos.

Importa acompanhar as indicações dos laboratórios farmacêuticos que preparam as vacinas, e dos laboratórios estatais centrais responsáveis pela sua aprovação.

As informações (bulas) fornecidas pelos laboratórios responsáveis pela preparação das vacinas ora disponíveis (AstraZeneca e Pfizer) afirmam que nem uma  nem a outra contêm vírus vivos nem conservantes.

Quanto à amamentação, as respectivas bulas informam:

Vacina de vetor viral (Univ. Oxford / AstraZeneca): “as mulheres que estão a amamentar podem receber a vacina”. https://www.gov.uk/government/news/oxford-universityastrazeneca-covid-19-vaccine-approved

Vacina de ARNm (Pfizer-BioNTech Comirnaty): “ainda que não existam estudos efetuados na amamentação, não são de esperar riscos” e na sua versão mais recente de 24/12/2020 “pode fazer a vacina da COVID 19 se estiver a amamentar”. https://www.hse.ie/eng/services/news/newsfeatures/covid19-updates/covid-19-vaccine-materials/covid-19-vaccine-information-leaflet.pdf

Por seu lado,

O Colégio Americano de Obstetrícia e Ginecologia (American College of Obstetricians and Gynecologists) “recomenda que as vacinas sejam oferecidas a lactantes da mesma forma que a não lactantes. Mesmo que as lactantes não tenham sido inclusas na maioria dos ensaios clínicos, as vacinas contra covid-19 não devem ser negadas às lactantes, pois as potenciais preocupações com relação à segurança de vacinar indivíduos lactantes não superam os benefícios potenciais de receber a vacina”. https://www.acog.org/clinical/clinical-guidance/practice-advisory/articles/2020/12/vaccinating-pregnant-and-lactating-patients-against-covid-19

A Academia Americana de Aleitamento Materno (Academy of Breastfeeding Medicine) “não recomenda a paragem da amamentação nos indivíduos que são vacinados contra a COVID 19”….”existe pouca plausibilidade biológica de que a vacina cause dano e os anticorpos para o SARS-CoV-2 no leite podem proteger a criança amamentada. https://www.bfmed.org/abm-statement-considerations-for-covid-19-vaccination-in-lactation.

Compete à lactante tomar a decisão final. O objectivo deste artigo foi dar à mulher que amamenta, a quem competirá a decisão final, conhecimentos que lhe permitam decidir em consciência e com a máxima segurança possível, se pretende ou não interromper a amamentação do seu bebé para receber a vacina contra a COVID 19.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail