Menu

Introdução

Definição

As deformidades congénitas da parede torácica anterior são uma patologia cada vez mais valorizada no seio da comunidade médica, tendo sido subestimada no passado. A era digital e a pesquisa na Internet pelos jovens têm também contribuído para uma maior preocupação com esta patologia e solicitação de conhecimento médico junto dos Pediatras e Médicos de Família.

Frequência

A sua prevalência é de 1 em cada 300 - 400 pessoas, com ligeiras variações geográficas

Causa

A cartilagem costal é o local de origem mais frequente das deformidades torácicas, sendo que 90 % delas são do tipo cartilagíneo. O arranjo e a distribuição do colagénio na cartilagem costal estão alterados e sofrem um desenvolvimento anómalo perante mecanismos de tensão, compressão e flexão. O Pectus escavatum e o Pectus carinatum fazem parte deste grupo de deformidades.

Sinais e sintomas

As deformidades congénitas da parede torácica anterior são uma patologia cada vez mais valorizada no seio da comunidade médica, tendo sido subestimada no passado. A era digital e a pesquisa na Internet pelos jovens têm também contribuído para uma maior preocupação com esta patologia e solicitação de conhecimento médico junto dos Pediatras e Médicos de Família.

A divulgação das suas características clínicas deve ser incentivada de modo a permitir a possibilidade da sua correcção atempada por métodos conservadores na 2ª infância ou na adolescência e, eventualmente, por cirurgia menos complexa, se possível na adolescência ou no adulto jovem.

A cartilagem costal é o local de origem mais frequente das deformidades torácicas, sendo que 90 % delas são do tipo cartilagíneo. O arranjo e a distribuição do colagénio na cartilagem costal estão alterados e sofrem um desenvolvimento anómalo perante mecanismos de tensão, compressão e flexão. O Pectus escavatum e o Pectus carinatum fazem parte deste grupo de deformidades.

O Pectus escavatum, ou tórax em funil, é a deformidade mais frequente representando cerca de 85 % dos casos e atinge muito mais o rapaz do que a rapariga.  

O Pectus carinatum, ou tórax em quilha, e o Pectus arcuatum (misto), embora de frequências menores, são um motivo de preocupação crescente.

As deformidades do tórax podem ter outras origens como sejam localização costal (costela bífida, hipoplasia ou agenesia costal), localização mista condro-costal (Síndrome de Polland), localização esternal (pectus arcuatum ou fenda esternal) ou localização claviculo-escapular.

A cartilagem costal é o local de origem mais frequente das deformidades torácicas, sendo que 90 % delas são do tipo cartilagíneo. O arranjo e a distribuição do colagénio na cartilagem costal estão alterados e sofrem um desenvolvimento anómalo perante mecanismos de tensão, compressão e flexão. O Pectus escavatum e o Pectus carinatum fazem parte deste grupo de deformidades.

Tratamento

O tratamento depende do tipo de malformação, e pode ser medico ou cirúrgico.

O tratamento médico (compressão ou sucção do segmento deformado) deve ser iniciado a partir dos cinco anos de idade.

O tratamento cirúrgico deve ser realizado a partir dos 13 anos.

Prevenção / Recomendações

A divulgação das suas características clínicas deve ser incentivada de modo a permitir a possibilidade da sua correcção atempada por métodos conservadores na 2ª infância ou na adolescência e, eventualmente, por cirurgia menos complexa, se possível na adolescência ou no adulto jovem.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail