Menu

Introdução

O dia de Natal aproxima-se e o ambiente é de magia e muita alegria!

Chega o pinheiro com as luzes que fazem brilhar a nova decoração da casa e despertar a curiosidade das crianças. Época de viagens para reunir a família, festas, presentes e muita brincadeira. Mas o perigo espreita quando menos se espera e nos dias de festa, com muita gente, aumenta o risco de acidentes.

Os acidentes com crianças podem ser evitados, e quem os pode evitar somos NÓS, os adultos!

Este ano, em casa, nas viagens e na escolha dos presentes, prepare um Natal mais seguro para as crianças e mais tranquilo para toda a família.

Prevenção / Recomendações

Em casa

  • A criança é curiosa por natureza e não tem noção dos riscos: vai querer cheirar, mexer, provar e puxar tudo o que estiver ao seu alcance. Nesta idade, a vigilância é fundamental mas pode falhar devido à grande actividade da criança e à distração dos adultos em ambiente festivo. Para além da presença constante de um adulto, é desejável (e fácil) tomar medidas complementares que reduzam a probabilidade de ocorrência de um acidente grave.
  • Guarde medicamentos, detergentes, fósforos, isqueiros, caixas de costura e outros produtos perigosos, em locais de difícil acesso.
  • Mantenha as crianças afastadas da cozinha enquanto prepara as iguarias de Natal.
  • A lareira ou outras fontes de aquecimento devem estar protegidas, nunca colocadas em zonas de passagem nem perto de tecidos ou outros materiais inflamáveis. Garanta que há uma boa ventilação, para evitar acumulação de monóxido de carbono, potencialmente fatal.
  • Coloque as decorações de Natal fora do alcance das crianças, pois podem confundi-las com doces ou brinquedos e colocá-las na boca, correndo risco de asfixia.
  • Verifique a estabilidade da árvore de Natal de modo a que não tombe se a criança lhe mexer.
  • Confirme que as luzes da árvore de Natal estão em bom estado, sem fios descarnados, para que não haja risco de electrocussão. Verifique se não há risco de sobreaquecimento e desligue-as sempre durante a noite e quando sair de casa.
  • Nunca deixe velas em locais de fácil acesso às crianças, nem em zonas de circulação, pois podem pegar fogo às roupas ou cabelos, além de queimaduras se a criança lhes tocar. Apague-as se houver crianças por perto e quando sair de casa.
  • Mesmo que esteja frio, agasalhe as crianças e leve-as a um jardim para correrem, saltarem e gastarem energias. Depois, em casa, organize jogos e desafios em que todos possam participar.
  • Lembre-se também das piscinas, tanques de rega ou poços no exterior. Os afogamentos não acontecem só no verão e em dias de calor.

Na escolha de brinquedos

  • Escolha brinquedos para oferecer adequados à idade e desenvolvimento da criança, certificando-se que não escondem armadilhas.
  • Compre os brinquedos em lojas de confiança.
  • Procure a marcação CE que, apesar de obrigatória é apenas uma presunção de segurança - indica que o fabricante cumpriu todos os requisitos das normas de segurança e da legislação em vigor.
  • Para crianças até aos 3 anos escolha brinquedos macios, leves, resistentes, laváveis e verifique que não têm peças pequenas destacáveis menores de 3,2 cm ou 4,5 cm se forem esféricas ou semiesféricas (berlindes, bolas saltitonas, piões...) que a criança possa soltar e pôr na boca com risco de asfixia.
  • Os fios ou cordões dos brinquedos merecem especial atenção pelo risco de estrangulamento e não devem ter mais de 22 cm (até aos 18 meses) ou 30 cm (até aos 3 anos).
  • Verifique se as pilhas estão guardadas num compartimento próprio e que só pode ser aberto com uma chave de parafusos.
  • Não ofereça brinquedos incompletos – para andar de bicicleta, patins ou skate, a criança precisa de capacete e pode estar certo de que ela vai querer experimentá-los imediatamente.
  • Não escolha brinquedos muitos ruidosos que podem provocar problemas auditivos e aumentam o cansaço de todos (crianças e adultos).
  • Supervisione as crianças quando abrem os presentes e retire imediatamente todas as embalagens dos brinquedos, fitas e os brindes do papel de embrulho (balões, chupa-chupas). Em segundos a criança pode introduzi-los na boca sem que ninguém dê conta, engasgar-se, aspirá-los e deixar de respirar.
  • Controle os brinquedos a que a criança tem acesso – evite que os mais novos brinquem com os dos mais velhos.
  • Nunca se esqueça que os acidentes mais frequentes com brinquedos são as quedas das crianças ou adultos, provocados por brinquedos desarrumados. Arrumar tudo no final deve fazer parte da brincadeira.
  • Consulte, no site da APSI, o “Guia Digital de Segurança – Produtos para Crianças”, onde encontra informação para escolher bicicletas, patins, capacetes e muitos outros brinquedos e artigos importantes para crianças - https://apsi.org.pt/guiaprodutoscriancas/

Nas viagens

  • As crianças devem viajar sempre numa cadeirinha adequada à sua idade, peso e altura, correctamente instalada no automóvel.
  • Até aos 3 ou 4 anos, as crianças devem viajar de costas para o sentido do trânsito (num lugar sem airbag frontal activo).
  • Todos os passageiros devem usar cinto de segurança, para evitar que sejam projectados contra as crianças ou outros adultos, podendo magoá-los gravemente.
  • As bagagens, os presentes e outros objectos, devem ser acondicionados no porta bagagens. Se forem à solta dentro do habitáculo, podem tornar-se autênticos projécteis.
  • Em viagens longas, faça paragens frequentes (de 2 em 2h) e retire as crianças das cadeirinhas para que possam descansar.
  • Lembre-se que uma criança é um passageiro e que a lotação do carro nunca pode ser excedida. Não facilite, nem mesmo em viagens de poucos quilómetros.
  • Passe a informação aos seus familiares e amigos para que possam evitar-se acidentes e que o Natal de todos seja muito Seguro e Feliz.
     

Para mais informações:

APSI – Associação para a Promoção da Segurança Infantil
www.facebook.com/apsi.org.pt
www.apsi.org.pt
+351 218844100

© Copyrigth APSI - Associação para a Promoção da Segurança Infantil – 2018. Todos os direitos reservados.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail