Menu

Introdução

Definição

Uveíte é o termo usado para definir a inflamação da úvea, camada mediana da parede do globo ocular que compreende a íris, o corpo ciliar e a coróide.

A classificação da uveíte pode ser anatómica (anterior, média ou posterior, conforme envolva a íris, o corpo ciliar ou a coróide), etiológica (causal), temporal (aguda, recidivante ou crónica) e tipo de inflamação (granulomatosa ou não granulomatosa).

É da interceção das várias classificações e considerando a idade do paciente que se chega ao diagnóstico mais preciso e, assim, à melhor abordagem terapêutica.

Frequência

5 a 10% da população com uveíte são crianças, representando nesta faixa etária um desafio particular para o oftalmologista, porque existe uma grande variabilidade de apresentação, dificuldades no exame clínico exaustivo, por difícil colaboração, e para a família por se tratar muitas vezes de uma doença prolongada e com possíveis recuos ao longo do tempo.

Causa

Podemos considerar 3 causas de uveíte na criança:

  • infecciosa;
  • não-infecciosa (como parte de um síndrome de auto imunidade);
  • mascarada (sinais clínicos de uveíte, mas tratando-se de outra doença).

A Artrite Idiopática Juvenil (JIA), sendo não infecciosa, é a causa mais frequente de uveíte pediátrica. A prevalência de uveíte em doentes com JIA varia entre 4 e 38%. A JIA tem uma preponderância de 3:2 no sexo feminino e a possibilidade de desenvolver uveíte é também maior nas meninas com JIA.

Sinais e sintomas

A uveíte, de uma forma geral, apresenta-se com olho vermelho, doloroso e intolerante à luz.

No entanto, a uveíte associada à JIA é silenciosa, estando o olho afetado branco, não inflamado e não doloroso. Por outro lado, as crianças não referem, em regra, visão turva ou baixa da visão, mesmo que a uveíte seja bilateral.

Esta tolerância da criança à inflamação insidiosa pode atrasar o diagnóstico, aumentando o risco de desenvolver catarata, glaucoma, queratopatia em banda e ambliopia, que são as complicações possíveis desta doença.

O que fazer

A única forma de diagnosticar atempadamente uma uveíte silenciosa é fazer uma consulta de rastreio oftalmológico aos 3 e aos 6 anos em todas as crianças saudáveis, logo que haja suspeita do diagnóstico de JIA e periodicamente nos doentes diagnosticados com artrite, pois pode surgir em qualquer altura da sua evolução.

Tratamento

O tratamento da uveíte inicia-se sempre pelo uso tópico e / ou sistémico de corticosteróides que serão substituídos por outros agentes menos agressivos ou com menos efeitos secundários no longo prazo, se a duração da uveíte assim o exigir.

No caso da JIA é fundamental a colaboração do Reumatologista e do Pediatra para a adequação da terapêutica.

Os agentes alternativos aos corticosteróides são os imunossupressores, os imunomoduladores e os agentes biológicos (ou biologic response modifiers).

Evolução / Prognóstico

A evolução da uveíte na criança não é necessariamente desfavorável, mas é seguramente longa, exigindo visitas regulares ao Oftalmologista. Sendo silenciosa para a criança e para os pais, só o exame objectivo com microscópio permite verificar a actividade inflamatória intra-ocular.

O acompanhamento da terapêutica deverá ser estreito para minimizar os efeitos secundários e optimizar as doses terapêuticas necessárias.

Prevenção / Recomendações

Fazer rastreio em crianças com Artrite Idiopática Juvenil.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail