Menu

    Introdução

    Definição

    A prova de esforço (PE) é um exame que avalia a resposta do sistema cardiovascular ao exercício físico. Durante este exame o doente realiza um esforço físico, geralmente a correr numa passadeira rolante ou a pedalar numa bicicleta e há uma monitorização contínua da atividade elétrica do coração (e da saturação periférica de oxigénio, nas PE com avaliação do consumo de oxigénio – O2) e medições a intervalos regulares da pressão arterial. A intensidade do exercício físico vai aumentando em intervalos regulares de acordo com um protocolo definido.

    Com este exame é possível estudar sintomas e/ou alterações dos parâmetros avaliados que surgem ou que se agravam com o esforço, como por exemplo queixas de palpitações, tonturas ou dor torácica com o esforço. O exame também é útil para avaliar a tolerância ao esforço de doentes com doença cardíaca, respiratória ou outras. Nas crianças e adolescentes com doenças que podem impedir a prática desportiva este exame também pode ajudar na decisão sobre a possibilidade de praticar desporto.

    Como se realizar o exame

    No dia da prova de esforço a criança ou o adolescente deve vestir uma roupa confortável e não deve beber bebidas com cafeína ou refeições pesadas nas 3h anteriores ao exame.

    O exame é realizado num local específico, com o material técnico necessário. Realiza-se na presença de um técnico e é supervisionado por um médico. Quando o doente e os pais chegam o médico e o técnico explicam em que consiste o exame e o médico pode fazer algumas perguntas sobre as queixas do doente e os seus antecedentes médicos. O doente e os pais podem esclarecer as dúvidas que tenham sobre o exame.

    Para realizar o exame o doente tem que estar despido da cintura para cima, exceto a roupa interior. São colocados ao doente elétrodos para avaliar a atividade elétrica do coração, uma braçadeira para medição da pressão arterial e um oxímetro num dedo para avaliar a saturação periférica de oxigénio.

    De seguida a prova começa e o doente começa a andar na passadeira rolante ou a pedalar na bicicleta. O esforço vai aumentando gradualmente de acordo com um protocolo definido em que a cada 3 minutos ocorre um aumento da velocidade e/ou da inclinação. O médico e o técnico vão fazendo avaliações regulares de vários parâmetros, e estão continuamente alerta para eventuais queixas do doente.

    A prova terminará quando o doente atingir o esforço máximo, se o doente pedir para terminar a prova ou se surgirem alterações ou sintomas que devem determinar a sua interrupção.

    Após a prova terminar o doente continua a ser avaliado durante a fase inicial de recuperação do esforço.

    A colaboração da criança ou do adolescente é muito importante para que a prova se possa realizar. Este exame geralmente não pode ser realizado em crianças abaixo dos 8-9 anos pela dificuldade de colaboração. O papel dos pais ou do adulto responsável antes e durante a prova é muito importante. Quanto melhor for a colaboração da criança ou do adolescente mais fácil será a realização da prova e mais importantes serão os dados obtidos.

    Interpretação da prova de esforço

    A prova de esforço fornece ao médico informações sobre:

    • A capacidade de exercício da criança ou do adolescente, que se relaciona com a duração da prova
    • A variação da frequência cardíaca, da pressão arterial e da saturação periférica de oxigénio com o esforço, e se esta resposta é normal
    • A presença de alterações do ritmo cardíaco que surgem, desparecem ou se agravam com o esforço
    • Evidência de isquemia do miocárdio durante o esforço

     A prova pode permitir perceber a causa para os sintomas que a criança ou o adolescente apresenta durante o exercício físico.

    Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
    Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

    Envie as suas sugestões

    Newsletter

    Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail