Menu

Introdução

Definição

Também chamada de subluxação rotatória atlantoaxial, é uma das causas de torcicolo na criança. Decorre habitualmente de um traumatismo ou infecção. Pode também estar associada a estados inflamatórios como a artrite juvenil, bem como a deformidades congénitas.

Causa

A capacidade de rotação da cabeça é garantida na sua maior parte pela capacidade de rotação do áxis sob o atlas; para que isto ocorra as facetas articulares dispõem-se com uma orientação horizontal. A estabilidade desta articulação é conseguida à custa de estabilizadores primários que são o ligamento transverso, facetas e cápsulas articulares e, estabilizadores secundários que são os ligamentos apical e ligamentos alares.

Nas crianças a horizontalidade das facetas é mais acentuada, ganhando a conformação definitiva aos 8 anos; este facto associado a uma maior laxidão ligamentar faz com que traumatismos de baixa energia possam provocar subluxação / luxação das facetas articulares.

Do mesmo modo infecções ou estados inflamatórios locais prolongados podem ser a causa de lesão dos ligamentos estabilizadores do áxis, podendo resultar também numa instabilidade entre C1 e C2 (Síndrome de Grisel).

História Clínica

Anamnese

Numa luxação rotatória existe na realidade uma subluxação das facetas articulares de C1 e C2 que provoca dor, diminuição da mobilidade cervical e posição anómala da cabeça e do pescoço.

Exame objectivo 

Clinicamente manifesta-se pela existência de uma contractura muscular do esternocleidomastóideo, no entanto, a posição do mento aponta para o mesmo lado em que existe a contractura (mecanismo reflexo para estabilizar a coluna cervical) e, a cabeça não roda para além da linha. Esta subtileza clínica permite diferenciar a subluxação do torcicolo, pois no caso do torcicolo o mento aponta para o lado oposto da contractura muscular.

Diagnóstico

O diagnóstico é por vezes tardio devido ao traumatismo “minor” associado e deve ser suspeitado quando um “torcicolo” demora mais de uma semana a resolver

Exames Complementares

Imagiologia

A suspeita clínica deve ser confirmada com exames radiológicos. As incidências AP e perfil da radiografia cervical podem ser de difícil interpretação pela posição anómala da cabeça e coluna cervical, mas podem ter utilidade para excluir alguma deformidade congénita ou fractura que sejam a causa dos sintomas. A incidência transbucal pode revelar uma assimetria no espaço entre o dente do áxis e as massas laterais de C1, a massa lateral de C1 rodada anteriormente aparece maior e mais próxima da apófise odontóide. Estudos dinâmicos de radiografia mostram que os arcos posteriores de C1 e C2 se movem de forma conjunta quando se faz a rotação do pescoço e não de forma independente, como seria suposto.

Tratamento

O factor determinante no prognóstico é o diagnóstico precoce e início de tratamento. A subluxação mantida para além de 3-4 semanas provoca alterações ósseas e de tecidos moles que tornam difícil a sua correcção através de métodos não cirúrgicos.

Médico

Casos diagnosticados na primeira semana podem ser tratados com simples imobilização cervical e medicação anti-inflamatória. Se a subluxação não reduz deve ser feito um período de tracção com cabresto ou aparelho de halo (começando com 3 kg e aumentando gradualmente segundo tolerância até aos 7 kg); este método demonstra grande eficácia até às 6 semanas de início dos sintomas, mas deve ser sempre tentado independentemente do tempo de evolução. Após ser conseguida a redução deve manter uma imobilização com colar cervical por um período de 6 a 12 semanas.

Cirurgia

Quando existe uma primeira recorrência deve ser realizada tracção cervical e após redução da subluxação, imobilização durante 3 meses com aparelho de halo.

Quando existe um segundo episódio de recorrência está indicada a fusão intervertebral C1-C2, tentando a redução da subluxação previamente à realização da fusão; quando a redução não é possível deve ser realizada uma fusão intervertebral “in situ”.

Evolução

A recorrência da subluxação deve-se a uma persistente laxidão da cápsula articular e ligamentos estabilizadores que, combinada com uma remodelação das superfícies articulares orientadas inferiormente, tornam a articulação instável aquando da rotação do pescoço.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail