Menu

Introdução

Definição

Lítiase urinária é a presença de “pedras” (cálculos) no aparelho urinário.

Frequência

Ocorre mais tipicamente entre os 8 - 10 anos e é mais frequente nos rapazes. Cada vez mais se diagnostica esta doença.

Causa

Podem-se identificar diversas causas sendo as mais prevalentes: metabólica, infecções do aparelho urinário (20-25%), anomalias anatómicas do aparelho urinário (10-25%), factores dietéticos e medicamentos.

Sinais e sintomas

Os sintomas e sinais variam de acordo com a idade e a localização da pedra ao longo do aparelho urinário. Cerca de 15-20% não têm sintomas (principalmente nas crianças mais novas).

Em 50-75% dos casos as crianças apresentam dor de barriga:

  • <5 anos – ligeira e inespecífica; por vezes recorrente;  
  • > 5 anos – “cólica renal” (dor que irradia para as costas ou virilhas).

O quadro pode manifestar-se com sangue na urina (30-55%), dor, ardor e urgência em urinar (10%), náuseas e vómitos (10%) e irritabilidade (em especial nas crianças mais novas).

O que fazer

Quando a criança mostra sinais de “cólica renal” deve ser levado ao serviço de urgência para ser avaliado e realizar os exames e os tratamentos necessários.

Tratamento

O tratamento da cólica renal aguda deve ser orientado pelo médico. Baseia-se na toma de analgésicos. Alguns casos podem ter indicação cirúrgica ou terapêuticas mais específicas.

Evolução / Prognóstico

A litíase urinária tem cerca de 30% de probabilidade de voltar a acontecer. Os doentes com alterações metabólicas apresentam maior risco de recorrência. Na maior parte dos casos as crianças devem ser seguidas em consulta de nefrologia e/ou urologia pediátrica e consulta de dietista.

Não existem muitos dados sobre o prognóstico na criança mas existe a possibilidade de se desenvolver doença renal crónica, dependendo da presença e gravidade das alterações metabólicas que a criança apresenta.

Prevenção / Recomendações

A criança deve adotar medidas gerais na sua vida diária:

  • Aumento da ingestão de líquidos nomeadamente agua (evitar refrigerantes e bebidas açucaradas/gaseificadas).
  • Cuidados na dieta:
    • Evitar dietas estritamente vegetarianas;
    • Evitar consumo excessivo de proteína animal e sal;
    • Evitar o consumo excessivo de vitamina C e vitamina D;
    • Consumir alimentos ricos em fitatos (cereais não refinados, feijão, frutos secos).

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail