Menu

Introdução

A alergia ao ovo de galinha ocorre quando o ovo é reconhecido como estranho levando ao desenvolvimento de uma resposta imunológica anormal em que na maioria das vezes há produção de imunoglobulinas E (IgE).

Frequência

Esta alergia é a segunda alergia alimentar mais comum (a primeira é ao leite de vaca) e tem uma prevalência que varia entre 1.6-2.5%. 

Causa

É causada por uma reacção do sistema imunitário após contacto com ovo através da sua ingestão e/ou contacto cutâneo (tocar no ovo ou nas cascas) e/ou após inalação de partículas libertadas aquando da sua confecção. Estas reações são habitualmente rápidas e desencadeiam sintomas em minutos ou horas.

A temperatura tem um papel importante na alergia ao ovo porque neutraliza certos alergénios. Sendo assim, algumas crianças podem ter alergia a todas as formas de ovo (cozido, assado ou cru), enquanto outras podem apenas ter alergia ao ovo cru.

Sinais e sintomas

Habitualmente os sintomas têm um início rápido e incluem manchas com relevo na pele que podem dar comichão, inchaço da face, boca ou olhos, enjoos e vómitos e em casos graves, sintomas respiratórios como tosse, falta e ar e respiração ruidosa (som agudo ao inspirar – estridor).

O que fazer

Num episódio inaugural, logo que surjam quaisquer destes sintomas, a criança deverá ser observada por um profissional de saúde no serviço de urgência.

Nos casos em que existe suspeita de alergia ao ovo ou quando a alergia já é conhecida e ocorre uma ingestão acidental, é necessário que os pais averiguem a gravidade dos sintomas:

            - Se os sintomas forem ligeiros e apenas atingirem a pele, deve ser administrado anti-histamínico e o corticóide oral. A criança deverá manter vigilância até resolução dos mesmos.

            - Se os sintomas forem mais graves, com acometimento de outros sistemas para além da pele (por exemplo, a criança apresentar manchas e vómitos e/ou tosse, falta de ar ou respiração ruidosa) é importante administrar em primeiro lugar a caneta de adrenalina. Nestes casos, as crianças devem ser observadas por um profissional de saúde no serviço de urgência.

 

Tratamento

O pilar essencial no tratamento é a evicção do alimento causador da reação alérgica.

Para evitar os contactos acidentais é necessário ler atentamente os rótulos dos produtos alimentares.

Consoante a indicação médica pode ser prescrito um anti-histamínico e um corticóide oral. Em casos graves de anafilaxia, o médico deve prescrever a caneta de adrenalina e realizar o treino da sua administração.

Na consulta também é feita a identificação da criança com alergia e redigido um documento explicativo com informação para a escola e outros locais que a criança frequente.

Evolução / Prognóstico

O prognóstico é favorável sendo que a maioria das crianças atinge tolerância ao ovo nos primeiros anos de vida.

Estima-se que de 7 em cada 10 crianças com alergia ao ovo consiga vir a tolera-lo. Aos 2 anos de vida, cerca de 20% dos alérgicos já tolera o ovo, aos 3 anos, entre 30-35% e aos 5 anos cerca de metade das crianças alérgicas já não manifesta a alergia.

Mais tarde, a evolução é mais lenta e alcança os 75% de crianças curadas pelos 9 anos de vida.

A boa evolução depende de vários fatores como a idade de início dos sintomas, o nível e tipo de alergénios identificados e o tipo de sintomas.

Só após um período variável em que não existiu contacto com o ovo, não houveram reações alérgicas e as análises e/ou testes cutâneos demonstram níveis mais baixos de sensibilização, é que se pode ponderar a reintrodução deste alimento. Este contacto deve ser feito em contexto hospitalar.

Prevenção / Recomendações

A ingestão de um alimento que tenha contactado com o ovo pode ser suficiente para desencadear uma reacção alérgica.

Crianças com suspeita de alergia ou alergia ao ovo confirmada devem evitar ovo. Só assim impedem o desenvolvimento da reação alérgica e consequentemente de sintomas. Só após indicação médica é que este alimento deverá ser reintroduzido.

As crianças com alergia devem ter o seu kit de emergência acessível e toda a família e cuidadores deverá saber manusear a caneta de adrenalina.

Na cozinha, nos restaurantes e até em ambiente escolar existe sempre um maior risco de contaminação quando se manuseiam vários alimentos. Sendo assim, é necessário manter uma correcta lavagem das mãos e das superfícies bem como utilizar talheres pratos e recipientes diferentes para que não exista contacto entre os restantes alimentos e o ovo.

A vacina contra o sarampo, rubéola e parotidite (VASPR), a vacina contra a gripe e a vacina contra a febre amarela contêm proteínas do ovo em reduzida quantidade. Sendo assim, nos casos de alergia ao ovo comprovada deve avisar o médico para que seja avaliada a necessidade de realizar estas vacinas em contexto hospitalar.

Saber Mais

Alergia alimentar, ovo, anafilaxia

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail