Menu

Introdução

Definição

Doença causada pelo parasita Estrongilóides stercolaris.

Frequência e causa

Prolifera geralmente nas regiões tropicais e subtropicais, tendo importância considerável na África, Ásia, América Latina e no sul dos Estados Unidos da América.

Nos climas temperados pode ser encontrada em locais superlotados e com más condições de higiene, o que acontece em alas psiquiátricas de certos hospitais e em certas prisões.

As larvas do parasita, presentes no solo contaminado pelas fezes humanas, penetram no corpo humano através da pele, passam por vários órgãos, desenvolvem-se, reproduzem-se e podem provocar lesões de gravidade variável.

Entre a penetração da larva no corpo humano e o aparecimento das larvas nas fezes pode decorrer 1 mês. Mas os sintomas e sinais da doença só surgem meses ou anos após o início da infecção.

Sinais e sintomas

Manchas e coceira no local de penetração da larva, que podem estender-se às coxas, nádegas e abdómen, são geralmente as primeiras manifestações da infecção.

Tosse seca e dificuldade respiratória, tipo asma, podem estar presentes.

Dor abdominal, náuseas, vómitos, diarreia, fezes com muco e perda de peso.

Determinados pacientes, principalmente aqueles que têm defesa deficiente quer por doença quer por tratamento com cortisona ou qualquer outro medicamento que diminui a imunidade, podem desenvolver doença grave.

Cerca de 1/3 dos infectados não apresenta alterações no seu estado de saúde.

O que fazer

Se está numa região onde existe a doença, deve procurar cuidados médicos se apresentar qualquer dos sinais ou sintomas referidos acima.

Tratamento

Existe tratamento eficaz para os casos não graves.

Não está estabelecido o melhor tratamento para os casos graves.

Doenças que se podem confundir com estrongiloidíase

Doenças crónicas do intestino.

Doenças do estômago.

Lombrigas.

Doenças respiratórias tipo asma brônquica.

Evolução / Prognóstico

A doença ligeira evolui rapidamente para a cura após o tratamento.

Indivíduos com infecções graves podem morrer, principalmente se não forem tratados rápida e correctamente.

É comum a infecção repetir-se

Prevenção / Recomendações

Andar calçado

Evitar contacto com solo infectado

Procurar seguir as melhores regras de higiene.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail