Menu

Introdução

A espondilolistese é uma deformidade da coluna que consiste no deslizamento anterior de uma vertebra sobre a vertebra subjacente. Esta deformidade foi inicialmente descrita no século XVIII por obstetras que a identificavam como uma barreira na progressão do feto ao atravessar o canal de parto.

Sinais e sintomas

A espondilolistese pode manifestar-se de muitas formas: desde a ausência de sintomas, tratando-se nestes casos apenas de um achado radiológico, até formas verdadeiramente limitativas da qualidade de vida em que existe dor, alterações da postura, alterações da marcha, alterações neurológicas dos membros inferiores e da bexiga. À semelhança das manifestações clínicas, as manifestações radiológicas também variam desde um ligeiro deslizamento anterior até ao deslizamento completo e translação anterior sobre a vertebra subjacente – espondiloptose.

Em idade pediátrica o que ocorre com maior frequência é o deslizamento da vértebra L5 sobre a vértebra S1 e nesta idade esta patologia associa-se a alterações como espondilolise, espinha bífida oculta, hipercifose, escoliose lombar ou doença de Scheuermann. 

O que fazer

Exames complementares de diagnóstico

O diagnóstico pode ser feito através de radiografias da coluna. Nos casos em que a clinica seja sugestiva desta alteração e não sejam evidentes alterações nas radiografias convencionais pode ser necessária a realização de uma TAC, com vista à detecção do defeito ósseo que é causa da deformidade e sintomas.

A Ressonância Magnética é útil para compreender a dor lombar irradiada para os membros inferiores, para clarificar a que nível existe a compressão nervosa ou, para excluir outras causas possíveis de dor lombar como infecções ou neoplasias.

Tratamento

A evolução natural de uma espondilolistese não tratada pode ser incapacitante para o doente, influenciando o tipo de trabalho que pode realizar, a quantidade de peso que pode levantar ou, o tipo de atividade recreativa que consegue praticar.

Uma vez diagnosticada a espondilolistese, o risco de progressão da deformidade é o fator determinante para o tipo de tratamento. O pico de crescimento da adolescência é um período em que pode haver um agravamento da doença, uma vez estabelecida a maturidade esquelética o perigo de agravamento da deformidade é baixa para os graus moderados de deslizamento.

Para os deslizamentos moderados o tratamento conservador com medidas gerais como perda de peso, alteração da atividade física, reforço muscular, complementado ou não com uso de colete de Boston (apoio toraco-lombo-sagrado), apresenta os mesmo resultados que o tratamento cirúrgico. Nestes casos a progressão da deformidade é ligeira e os sintomas a longo prazo relacionam-se com a degenerescência do disco intervertebral. O tratamento cirúrgico pode ser equacionado para os casos em que os sintomas se mantém apesar da realização de tratamento conservador por um período não inferior a 6 meses. Este consiste numa fixação das vertebras afetadas de modo a conseguir a estabilidade da coluna e evitar a progressão da doença. Nos casos mais graves pode ser necessário o realinhamento das vertebras previamente à fixação, embora exista um maior risco de complicações neurológicas com este procedimento.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail