Menu

Introdução

Grupo de doenças que têm como causa o parasita Entamoeba hystolitica.

Transmissão

A transmissão ocorre, principalmente, através de ingestão de água e de alimentos contaminados, havendo uma grande predominância em regiões onde as fezes humanas são usadas como adubos.

Regressados de zonas onde existe a doença, imigrantes, indivíduos que vivem em instituições com fracas condições de higiene e homossexuais do sexo masculino constituem o grosso dos infectados nos países desenvolvidos.

Estima-se que, em todo o mundo, mais de 40 000 000 de pessoas estão infectadas, 80% dos quais em regiões pobres sem saneamento básico.

Apenas cerca de 10% dos indivíduos infectados se apresentam doentes.

Recém-nascidos, grávidas, malnutridos e os com pouca resistência às infecções apresentam as formas mais graves da doença, que causa cerca de 70 000 mortes por ano.

Sinais e sintomas

Diarreia, com ou sem muco e sangue, dor de barriga, mal-estar, falta de apetite, febre, de intensidade variável, perda de peso, mais ou menos acentuada, úlceras à volta do ânus e desidratação, ligeira a grave, no caso dos parasitas infectarem só o intestino.

Os parasitas podem atingir outros órgãos provocando sinais e sintomas diversos:

  • dor no quadrante superior direito da barriga, que pode irradiar para as costelas e ombro direitos, aumento do volume do fígado, náuseas, vómitos, falta de apetite, febre, de instalação súbita ou lenta, e perda de peso acentuada se o órgão lesado é o fígado (o conhecido como abcesso amebiano do fígado);
  • tosse, dificuldade respiratória e dor no peito, especialmente em malnutridos, alcoólicos e nos com defeitos no coração, quando o pulmão é o órgão lesado;
  • dor na parte anterior do tórax e falência cardíaca quando o coração é atingido;
  • dores de cabeça, confusão, convulsões e coma por formação de abcesso cerebral;
  • Infecção dos órgãos sexuais.

O que fazer

Quando pensar em amebíase?

Pensar em amebíase se, num indivíduo que vive ou esteve em regiões onde existe a doença, surge qualquer das queixas referidas acima, sem qualquer outra causa aparente.

  • Exames, das fezes e outros julgados necessários, devem ser imediatamente efectuados.
  • Doenças que se podem confundir mais frequentemente com amebíase 
  • Infecções intestinais por bactérias ou vírus
  • apendicite
  • tuberculose intestinal
  • doenças do cólon
  • infecção da vesícula biliar
  • abcesso do fígado por outras causas
  • quisto e cancro do fígado
  • doenças do pulmão e do coração.

Doenças que se podem confundir mais frequentemente com amebíase

  • Infecções intestinais por bactérias ou vírus
  • apendicite
  • tuberculose intestinal
  • doenças do cólon
  • infecção da vesícula biliar
  • abcesso do fígado por outras causas
  • quisto e cancro do fígado
  • doenças do pulmão e do coração

Tratamento

O tratamento deve ser feito por clínico com experiência na matéria, atendendo a que, para que seja correcto, mais do que um medicamento deve ser usado, com sequência bem determinada.

Para evitar transmissão dos parasitas a terceiros ou que os parasitas alojados no intestino se desloquem para outros órgãos, deve-se tratar todos os indivíduos aparentemente saudáveis, mas com exame das fezes positivo.

Evolução / Prognóstico

Com tratamento correcto, não havendo complicações, a melhora ocorre dentro de dias ou semanas.

Prevenção / Recomendações

  • Lavar bem as mãos após defecar e antes de comer ou manipular alimentos.
  • Água consumida deve ser de rede pública certificada.
  • Na indisponibilidade de água de rede pública com garantia de segurança esta deve ser fervida pelo menos 5 minutos; desinfecção com cloro ou iodo pode não ser segura.
  • Lavar as frutas e saladas correctamente e secá-las.
  • Eliminar correctamente as fezes.
  • Tratar e aconselhar todos os que, aparentemente saudáveis, têm análises positivas para a amebíase.
  • Educar os indivíduos que têm práticas sexuais orais susceptíveis de transmitir infecção.
  • Educara população em geral.
  • Não é aconselhada, para evitar a doença, administração de medicamentos a indivíduos saudáveis e com exame das fezes negativo.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail