Menu

Introdução

Definição

Caracterizada por uma hipertrofia da musculatura circular do piloro esta afecção dificulta o esvaziamento gástrico por diminuição do calibre do lúmen e consequente obstrução do canal pilórico.

Epidemiologia

A incidência é de 2-4:1000 nados vivos, sendo mais frequente no sexo masculino na razão de 4:1. O pico máximo de incidência surge por volta da 3ª semana de vida.  

Afecção rara nas populações africanas e asiáticas, parece ter variações sazonais, sendo mais frequente na Primavera e Outono.

História Clínica

Anamnese

É a causa de vómitos de origem cirúrgica mais frequente no recém-nascido e lactente. A principal manifestação clínica são os vómitos pós-prandiais em jacto sem bílis e por vezes hemáticos se já houver processo inflamatório gástrico.

Exame objectivo

À observação clínica pode ser palpável a oliva pilórica e por vezes são visíveis ondas de peristaltismo a nível do epigastro (Kussmaul). Nalguns casos associado a icterícia (2%) por aumento da bilirrubina indirecta consequência de deficit transitório na actividade da glicoroniltransferase, mas que reverte espontaneamente após a cirurgia.

Diagnóstico Diferencial

Para além de várias causas de ordem médica (cardíaca; metabólica; renal; infecciosa ou mesmo por erro alimentar) o diagnóstico diferencial deve ter em conta situações como estenoses congénitas do esófago, RGE, hérnia do hiato e diafragma pilórico entre outras.

Exames Complementares

Patologia Clínica

Sendo o grau de desidratação e o desequilíbrio hidroelectrolítico (alcalose metabólica e baixa do Cl, K e Na) os dois principais índices de avaliação de gravidade pré-operatória, a avaliação laboratorial e respectiva correcção hidroelectrolítica e do equilíbrio ácido-base deverão ser sempre realizadas.

Imagiologia

A ecografia abdominal é o exame de eleição para fazer o diagnóstico, em situações duvidosas, pode estar indicado um trânsito gastroduodenal.

Tratamento

Cirurgia

A piloromiotomia extra mucosa (Fredet-Weber-Rammstedt) é a cirurgia de eleição habitualmente utilizada com muito bons resultados. Início da alimentação cerca de 3 horas após a cirurgia com pequenos volumes e aumento progressivo de soro glicosado e depois leite materno (preferencial) ou adaptado.

Evolução

Alta cirúrgica ao 2º - 3º dia de pós-operatório.

Não são previsíveis sequelas cirúrgicas.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail