Menu

Introdução

Definição

A bronquite refere-se à inflamação dos brônquios e é um componente de praticamente todas as doenças da via aérea. A bronquite aguda (BA) é um diagnóstico clínico caraterizado pela instalação aguda (duração ≤2 semanas) de tosse (seca ou produtiva), e sinais de envolvimento do aparelho respiratório inferior, na ausência de doença pulmonar crónica ou outra causa específica, como pneumonia.

Epidemiologia

A BA, isolada ou em associação com outras infeções das vias respiratórias, é uma das infeções mais frequentes em idade pré-escolar e é uma causa importante de hospitalização.

A incidência de BA em crianças de 0-4 anos de idade é de 12-20 episódios por 100 crianças por ano, com pico nos meses de Outono e Inverno.

Etiologia

Em cerca de 90% dos casos, a etiologia da BA é viral, sendo os vírus mais frequentemente implicados o vírus sincicial respiratório (VSR), rinovírus (os dois agentes mais frequentes), parainfluenza, influenza, adenovírus, coronavírus, metapneumovírus e bocavírus. Agentes bacterianos como Mycoplasma pneumoniae e Chlamyda pneumoniae podem também estar implicados como causa primária ou como sobreinfeção. Em 17 a 33% dos casos existe coinfeção.

História Clínica

Anamnese

A tosse é o sintoma dominante e deve ser bem caraterizada: se é seca ou produtiva; a forma de início (súbito, gradual); a sua duração, frequência e intensidade. Na eventualidade de existir expetoração, rara nas crianças pequenas, deve caraterizar-se em qualidade e quantidade, cor e cheiro. Os sintomas acompanhantes mais comuns são a febre e, mais raramente, a pieira. Questionar acerca da presença de mialgias, estridor, dispneia, toracalgia, coriza, prurido nasal, odinofagia, otalgia, entre outros.

Avaliar o estado vacinal e contexto epidemiológico.

Questionar acerca de doença respiratória crónica prévia.

Exame objetivo

Avaliar o estado geral e sinais vitais (frequência respiratória e cardíaca, saturação de oxigénio e temperatura), que habitualmente são normais. Avaliar outros sinais de dificuldade respiratória como cianose, adejo nasal, tiragem, balanceio da cabeça ou pieira audível.

Realizar otoscopia, rinoscopia e observação da orofaringe. Realizar um exame torácico completo, que pode revelar sibilos ou roncos na auscultação pulmonar.

Mau estado geral, febre alta, taquicardia, taquipneia, hipoxia e sinais de consolidação pulmonar (como macicez à percussão, egofonia, diminuição do murmúrio vesicular ou fervores) são raros na BA e devem levantar a suspeita de pneumonia.

Por fim, excluir sinais de doença crónica subjacente, como má progressão ponderal, hipocratismo digital, deformidade torácica ou atopia.

Diagnóstico Diferencial

  • Outra infeção das vias respiratórias inferiores: bronquiolite, laringotraqueobronquite, pneumonia e síndromes pertussis
  • Infeção das vias respiratórias superiores: nasofaringite, traqueíte, epiglotite e laringite
  • Gripe
  • Aspiração de corpo estranho
  • Primeira apresentação de doença crónica (por exemplo, asma, que pode ser clinicamente indistinguível da BA)

Exames Complementares

O diagnóstico de BA é clínico pelo que, na maioria dos doentes, não são necessários exames complementares. Em caso de incerteza diagnóstica, a avaliação analítica pode ajudar no estabelecimento de etiologia bacteriana (leucocitose significativa e aumento da proteína C reativa e da procalcitonina). De igual forma, a realização de radiografia do tórax pode ser útil para o diagnóstico diferencial com pneumonia, sendo desnecessária nos doentes com sinais vitais e exame pulmonar normais.

Habitualmente, não é necessária a investigação microbiológica. São exceções a suspeita clínica de tosse convulsa ou de gripe em doentes de risco.

Tratamento

Algoritmo terapêutico

A maioria dos doentes necessita apenas de terapêutica de suporte, com antipiréticos e hidratação adequada. É aconselhável explicar aos pais o curso natural da doença e o período espectável até à resolução completa dos sintomas.

Os medicamentos de venda livre para o tratamento da tosse não são eficazes, havendo ainda o risco de causarem efeitos adversos importantes.

Nos doentes com obstrução brônquica, deve considerar-se a administração de agonistas β2 de curta ação.

A utilização empírica de antibióticos é desaconselhada. Contudo, perante suspeita clínica de etiologia bacteriana (clínica há mais de 4 dias, incluindo sintomas constitucionais como febre; ou rinossinusite e tosse que não melhoram há 10 dias) ou nas crianças com risco elevado de complicações por comorbilidade preexistente (doença cardíaca, renal, hepática ou neuromuscular; imunossupressão,  crianças pequenas nascidas prematuras), deve equacionar-se a instituição de antibioticoterapia (habitualmente macrólidos).

Evolução

Na maioria dos casos, a doença é autolimitada e ocorre remissão completa em 2 a 5 dias, até um limite de 3 semanas. A complicação mais comum é a sobreinfeção bacteriana.

Recomendações

A lavagem frequente das mãos e a evicção de aglomerados populacionais são aconselháveis, como forma de prevenção da transmissão interpessoal da maioria dos agentes que causam BA. A profilaxia da infecção por VSR com palivizumab pode ter lugar em doentes de risco, como os grandes prematuros. A vacina da gripe está indicada nas crianças com doença crónica.

Saber Mais

Glossário

Tosse: mecanismo fisiológico de defesa pulmonar, que aumenta a libertação de secreções e partículas das vias aéreas, e protege da aspiração de materiais estranhos. Pode classificar-se em tosse aguda, subaguda e crónica.

Bronquite aguda infecciosa - diagnóstico clínico caracterizado pela instalação aguda (duração ≤2 semanas) de tosse (seca ou produtiva), e sinais de envolvimento do trato respiratório inferior, na ausência de doença pulmonar crónica ou outra causa específica, como pneumonia.

Bibliografia

  1. Fleming DM, Elliot AJ. The management of acute bronchitis in children. Expert Opin Pharmacother. 2007;8:415-26.
  2. Chang AB. Bronchitis. In: Wilmott RW, Boat TF, Bush A, Chernick V, Deterding RR, Ratjen F, editors. Kendig and Chernick’s Disorders of the Respiratory Tract in Children. 8th ed. Philadelphia: Elsevier Saunders; 2012. p437-42.
  3. Kinkade S, Long NA. Acute bronchitis. Am Fam Physician. 2016;94:560-5.
  4. Smith SM, Fahey T, Smucny J, Becker LA. Antibiotics for acute bronchitis. Cochrane Database Syst Rev. 2017;6:CD000245.
  5. Becker LA, Hom J, Villasis-Keever M, van der Wouden JC. Beta2-agonists for acute cough or a clinical diagnosis of acute bronchitis. Cochrane Database Syst Rev. 2015;9:CD001726.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail