Menu

Introdução

A Mononucleose Infecciosa (MNI), também conhecida como “doença do beijo”, é uma infeção viral comum, provocada pelo vírus Epstein-Barr e afeta crianças e adultos jovens.

Geralmente é assintomática na infância e a presença de sintomas aumenta a partir da adolescência, podendo surgir febre, dor de garganta e inchaço dos gânglios do pescoço.

Frequência

  • Ocorre sobretudo entre os 15 e os 24 anos de idade.
  • O vírus transmite-se através da saliva, sendo por isso também conhecida como “doença do beijo”.
  • Não ocorre preferencialmente em nenhuma altura do ano e acomete de igual forma ambos os sexos.

Causa

  • Na grande maioria dos casos, a MNI é causada pelo vírus Epstein-Barr (EBV). 
  • Em 10% dos casos pode ser causada por outros vírus.

Sinais e sintomas

A infecção por EBV na infância geralmente não apresenta sintomas.

Nos casos sintomáticos, os doentes podem apresentar mal-estar, dor de cabeça, dores musculares e náuseas acompanhados de febre alta, dor de garganta, dificuldade em engolir, inchaço dos gânglios do pescoço e cansaço.

O cansaço por vezes é persistente e pode durar 1 mês após inicio dos sintomas.

Esta doença pode provocar ainda aumento do tamanho do baço e do fígado.

O que fazer

Em caso de sintomas sugestivos de mononucleose infeciosa deve ser observado por um profissional de saúde.

O diagnóstico faz-se pela observação clínica e pelo pedido de algumas análises dirigidas às células do sangue, proteínas do fígado e testes serológicos.

Deve fazer uma ingestão alimentar e hídricas adequadas e repouso, evitando atividade física durante o período de doença.

Tratamento

A mononucleose é uma infeção que deve seguir o seu curso até à cura, que acontece geralmente ao fim de 2 a 3 semanas.

Não há nenhum medicamento para tratar a doença, mas sim para aliviar os sintomas, pelo que pode tomar paracetamol ou ibuprofeno.

Os antibióticos não estão indicados uma vez que se trata de uma infeção viral.

Deve fazer repouso e evitar fazer desporto.

Evolução / Prognóstico

O prognóstico geralmente é bom e a doença resolve ao fim de 2 a 3 semanas.

Em alguns casos a criança/adolescente pode demorar meses até se sentir menos cansada/o.

Em alguns casos, podem ocorrer complicações raras tais como dificuldade em respirar por obstrução da via aérea superior, infecções bacterianas (ex.: infecções respiratórias, infecção do saco lacrimal do olho, cardíacas, hepáticas, no baço ou cerebrais), alterações da contagem de células do sangue, depressão, neoplasias, entre outras.

Prevenção / Recomendações

Recomenda-se que durante o período de doença a criança/adolescente ingira bastantes líquidos e faça uma alimentação equilibrada. Deve ainda descansar e evitar realizar atividade física.

Os adolescentes que praticam desportos de contacto vigoroso com potencial lesão do abdómen devem evitar as atividades desportivas durante 4 semanas. Os adolescentes que praticam desportos de menor intensidade e menor contacto podem iniciar gradualmente após as 3 semanas de doença, de acordo com a sua capacidade.

Após a resolução da fase aguda da doença não existem restrições para o retorno escolar. A decisão deve basear-se na presença de sintomas da criança/adolescente.

Não é necessário isolar a criança infectada, basta evitar grande proximidade (beijo, por ex.)

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail